O Compliance Como Instrumento de Monitoramento e Controle da Administração Pública
PDF

Palavras-chave

Compliance
Administração Pública
Bibliometria

Como Citar

Luengo, C. A. G., Vieira , S. F. A., Nunes , A. L. P. ., & Suguihiro, V. L. T. . (2022). O Compliance Como Instrumento de Monitoramento e Controle da Administração Pública. RGC - Revista De Governança Corporativa, 9(1), e0108. https://doi.org/10.21434/IberoamericanJCG.v9i.108

Resumo

Este estudo tem como objetivo levantar o estado da arte acerca do compliance na Administração Pública produzido no meio científico nacional e a compreensão da sua abrangência. A abordagem utilizada foi quantitativa e descritiva, através da pesquisa bibliográfica para coleta de dados. Buscou-se analisar periódicos selecionados da biblioteca eletrônica SPELL com a utilização da técnica de análise de conteúdo. A relevância do estudo está em analisar o estado da arte do compliance presente na administração pública e relacioná-lo com as leis bibliométricas e a verificação da rede de autoria, pois há diversos estudos e levantamentos do compliance, mas voltados para a administração privada. Como resultado observou-se que a Revista de Administração Pública foi o periódico que mais publicou sobre o tema, houve um crescimento das publicações ao longo dos anos, sendo 2019 e 2020, os anos com mais publicações. Observou-se que há aplicabilidade da lei de Lotka nos artigos analisados, porém não houve aplicabilidade da lei de Bradfort e de Zipf. A rede de autoria possui uma densidade de 0.037, considerada como uma rede fraca. A seguinte pesquisa contribui para mapear e identificar as produções, sua evolução ao longo dos anos, as contribuições e redes entre os autores e traz o levantamento dos artigos mais citados no cenário nacional na área do Compliance, sendo este um roteiro básico para os pesquisadores que desejam iniciar a pesquisa na área.

https://doi.org/10.21434/IberoamericanJCG.v9i.108
PDF

Referências

Borgatti, S.P. (2002). NetDraw: Graph Visualization Software. Harvard: Analytic Technologies

Borgatti, S.P., Everett, M.G. & Freeman, L.C. (2002). Ucinet 6 for Windows: Software for Social Network Analysis. Harvard, MA: Analytic Technologies.

Camargo, F. O. & Guimarães, K. M. S. (2013). O princípio da eficiência na gestão pública. Rev. CEPPG, n. 28, p. 133-145. Recuperado de http://www.portalcatalao.com/painel_clientes/cesuc/painel/arquivos/upload/downloads/376b38ef01c9b0caae5d67f8c6bf4d03.pdf.

Campos, F. A. O. & Pereira, R. A. C. (2016). Corrupção e ineficiência no Brasil: Uma análise de equilíbrio geral. Estud. Econ., São Paulo, v. 46, n. 2, p. 373-408. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-41612016000200373&lng=en&nrm=iso.

Coelho, C. C. B. P. (2016). Compliance na Administração Pública: uma necessidade para o Brasil. Rev. de Direito da Faculdade Guanambi, v. 3, n.1. Recuperado de: http://177.38.182.246/revistas/index.php/Revistadedireito/article/view/103/21.

Cruz, F. L. & Ciekalski, F. A. (2019) Compliance como ferramenta de melhoria da gestão e prevenção à prática da corrupção na Administração Pública. 119 fls. Dissertação (Mestrado Profissional em Administração) – Escola de Administração de Brasília, Brasília. Recuperado de https://repositorio.idp.edu.br/bitstream/123456789/2558/1/Disserta%c3%a7%c3%a3o_Felix%20Alberto%20Ciekalski_ADMINISTRA%c3%87%c3%83O%20P%c3%9aBLICA_2019.pdf.

Ferreira; A. G. C. (2010). Bibliometria na avaliação de periódicos científicos. Rev. da Ciência da Informação, v. 11, n. 3. Recuperado de https://www.researchgate.net/profile/Ana_Gabriela_Ferreira/publication/320812351_Bibliometria_na_avaliacao_de_periodicos_cientificos/links/5de539bba6fdcc28370052a8/Bibliometria-na-avaliacao-de-periodicos-cientificos.pdf.

Gin, C. M. (2016). Uma breve análise sobre a legislação anticorrupção do mundo. In: Seminário Nacional Demandas Sociais Políticas Públicas na Sociedade Contemporânea, 12, 19-20, Santa Cruz o Sul. Anais do XII Seminário Nacional Demandas Sociais Políticas Públicas na Sociedade Contemporânea. Recuperado de https://online.unisc.br/acadnet/anais/index.php/snpp/article/view/14677/3102.

Gonçalves, M. W. (2018). Análise crítica da lei anticorrupção e dos acordos de leniência. 71 fls. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. Recuperado de https://pantheon.ufrj.br/handle/11422/7947.

Machado Junior, C.; Souza, M. T. S.; Parisotto, I. R. S. & Palmisano, A. (2016). As leis da bibliometria em diferentes bases de dados científicos. Revista de Ciências da Administração. v. 18, n.44, p. 111-123. Recuperado de https://www.redalyc.org/pdf/2735/273545375009.pdf.

Marconi, M. A. & Lakatos, E. M. (2017). Metodologia do trabalho científico. 8. ed. São Paulo: Atlas.

Mariano, I. C. & Müller, C. J. (2012). Melhoria de Processos pelo BPM: Aplicação no Setor Público. 22 fls. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia da Produção) – UFRGS, Porto Alegre. Recuperado de https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/65643.

Moreira, A.; Araujo, E. & Sousa, H. (2019). A corrupção e os média: um olhar dos jornalistas sobre a relevância do tempo. Rev. Comunicação e Sociedade, n. 35. p. 173-192. Recuperado de https://journals.openedition.org/cs/783.

Motta, P. R. de M. (2013). O estado da arte da gestão pública. Rev. de Administração de empresas, São Paulo, v. 53, n. 1, p. 82-90. Recuperado de https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-75902013000100008&script=sci_arttext.

Notari, M. B. (2017). As convenções internacionais ratificadas pelo Brasil no combate à corrupção. Revista de Direito Internacional e Globalização Econômica, v.1, n.1, p. 60-77, ISSN 2526-6284. Recuperado de https://revistas.pucsp.br/index.php/DIGE/article/view/32771.

Pessoa, R. S. (2015). Disputa política e agenda administrativa: Do governo FHC à gestão Lula-Dilma. Arquivo Jurídico, v.2, n.1, p. 61-81, ISSN 2317-918X. Teresina - PI.

Pinho, J. A. G. & Sacramento, A. R. S. (2018). O círculo vicioso da corrupção no Brasil: limites estruturais e perspectivas de rompimento. Rev. Serv. Público Brasília, v. 69. p. 181-209. Recuperado de https://revista.enap.gov.br/index.php/RSP/article/view/3262/2044.

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. (2021). Plataforma Sucupira. Recuperado de https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/.

Roldo, F. R. & Thaines, A. H. (2020). Compliance como ferramenta na prevenção de riscos e no combate à fraude organizacional. Rev. Eletrônica Ciências Contábeis. v. 9, n.1, p. 241-271. Recuperado de http://seer.faccat.br/index.php/contabeis/issue/view/65/showToc.

Saavedra, G. A. (2016) Compliance Criminal: revisão teórica e esboço de uma delimitação conceitual. Rev. Duc in Altum Cadernos de Direito, v. 8, n. 15. Recuperado de http://faculdadedamas.edu.br/revistafd/index.php/cihjur/article/view/375.

Santos, Y. G. (2018). O papel das convenções internacionais no combate à corrupção no Brasil. 45 fls. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) - Centro Universitário de Brasília, Brasília. Recuperado de https://repositorio.uniceub.br/jspui/bitstream/prefix/12984/1/21450696.pdf.

Silva, C. R. M. & Crisóstomo, V. L. (2019). Gestão fiscal, eficiência da gestão pública e desenvolvimento socioeconômico dos municípios cearenses. Rev. Adm. Pública, Rio de Janeiro, v. 53, n. 4, p. 791-801. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-76122019000400791&lng=en&nrm=iso.

Silveira; D. T. & Córdova, F. P. (2009). A Pesquisa Científica. In: Gerhardt, T. E. & Silveira, D. T. Métodos de Pesquisa. Porto Alegre: Editora UFRGS. p.31-42. Recuperado de http://www.ufrgs.br/cursopgdr/downloadsSerie/derad005.pdf.

Souza, F. J. B.; Silva, S. A. M. & Gomes, A. O. (2019). Corrupção no Setor Público: Agenda de Pesquisa e Principais Debates a partir da Literatura Internacional. Rev. Administração Pública e Gestão Social, v. 11, n. 3. Recuperado de https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=351559268001.

O(s) autor(es) autoriza(m) a publicação do texto na da revista;

O(s) autor(es) garantem que a contribuição é original e inédita e que não está em processo de avaliação em outra(s) revista(s);

A revista não se responsabiliza pelas opiniões, idéias e conceitos emitidos nos textos, por serem de inteira responsabilidade de seu(s) autor(es);

É reservado aos editores o direito de proceder a ajustes textuais e de adequação às normas da publicação.

Autores mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.

Esta licença permite que outros remixem, adaptem e criem a partir do seu trabalho para fins não comerciais, e embora os novos trabalhos tenham de lhe atribuir o devido crédito e não possam ser usados para fins comerciais, os usuários não têm de licenciar esses trabalhos derivados sob os mesmos termos.

Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.

Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal) a qualquer ponto antes ou durante o processo editorial, já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado (Veja O Efeito do Acesso Livre) emhttp://opcit.eprints.org/oacitation-biblio.html