Combate a corrupção: uma articulação teórica dos temas responsabilidade social, governança corporativa e teoria da agência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21434/IberoamericanJCG.v11i00.149

Palavras-chave:

Corrupção, Responsabilidade Social, Governança Corporativa, Teoria da Agência

Resumo

Objetivo: A corrupção, tida como o abuso ou uso indevido de poder ou confiança para benefício próprio, em vez do propósito para o qual esse poder ou confiança foi concedido, tem acarretado problemas a muitos países e os princípios de Responsabilidade Social e da Governança Corporativa tem sido apontada na literatura como um agente mitigador desse problema. De outro lado, outras pesquisas indicam a necessidade de se ter cautela ao se pautar pela mentalidade da Teoria da Agencia que a defende como um instrumento neutro e suficiente para mitigar os problemas de corrupção.

Métodos: Este estudo consiste em um ensaio teórico baseado em uma pesquisa bibliográfica que expõe a temática Corrupção, Responsabilidade Social, Governança Corporativa e Teoria da Agencia, levantando as diferentes definições, linhas de pesquisas, linhas de pensamento, teorias de sustentação, dualidades e conflitos existentes em torno do mainstream.

Resultados: A justificativa para o estudo está centrada na percepção de que existem estudos que se dedicaram a testar empiricamente a relação existente entre a corrupção e o ambiente contábil dos países, mas poucos foram os estudos que se dedicaram a refletir criticamente sobre o conhecimento produzido acerca dessa relação.

Originalidade/Relevância: No contexto apresentado, uma boa estrutura de Governança torna-se recomendável para uma eficaz administração e gestão nos órgãos em combate corrupção. Foi possível perceber que os princípios da Governança Corporativa e da Responsabilidade Social, sendo Transparência (disclosure), Prestação de Contas (accountability) e Equidade (fairness) vão de encontro aos princípios da Teoria da Agencia, principalmente relacionados a ética e moralidade nas relações interpessoais das organizações.

Contribuições teóricas/metodológicas: A análise de pareamento identificou como principais temas em voga: Divulgação de relatórios de sustentabilidade; Teorias Institucional; Conexões políticas; Mecanismos de Controle de Governança Corporativa; Cultura nacional; Investimentos estrangeiros; Desempenho organizacional; Papel financeiro; Fatores determinantes de suborno; e papel das agências nacionais e internacionais de regulações.

Biografia do Autor

Monica Cristina Rovaris Machado, Universidade Federal do Sergipe (UFS), Sergipe

Doutora no programa de Administração e Turismo na Universidade do Vale do Itajaí, PPGA/Univali na linha de pesquisa Empreendedorismo/Empreendedorismo Social, com doutorado sanduiche na Universidade de Alicante, Espanha, tendo realizado pesquisa de campo na Espanha e no Brasil. Atualmente é professora adjunta da Universidade Federal de Sergipe, com experiência na área de Administração, atuando principalmente nos seguintes temas: gestão, serviços, recursos humanos, gestão da qualidade, e mais recentemente empreendedorismo social, bem como as áreas correlatas.

Ruan Carlos Santos, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC-ESAG), Santa Catarina

Mestrado em Administração - UNIVALI (2015-2017). Doutorando em Administração pela PPGA - Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC-ESAG), Santa Catarina. Participante do Grupo de Pesquisa - GEEP - Grupo de Estudos sobre Estratégia e Performance - liderado pela Profª. Dra. Rosilene Marcon. Professor no Ensino Médio na SED-SC nas disciplinas de Filosofia. Professor e Tutor na UniAvan no Curso de Tecnologia em Gestão Financeira. Consultor/docente credenciado na ENA (Ecole Nationale D'Administration - Brasil).

Fabiano Maury Raupp, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Santa Catarina

Possui Doutorado em Administração pela Universidade Federal da Bahia (2011), Mestrado em Administração pela Universidade Federal de Santa Catarina (2003) e Graduação em Ciências Contábeis pela Universidade Federal de Santa Catarina (2001). É professor associado na Universidade do Estado de Santa Catarina, atuando no Departamento de Administração Empresarial, no Mestrado Profissional em Administração, no Mestrado Acadêmico em Administração e no Doutorado em Administração do Centro de Ciências da Administração e Socioeconômicas.

Referências

ABILIO MARTINS, V.; JEREMIAS JUNIOR, J.; FERNANDO ENCISO, L. Conflitos de agência, Governança Corporativa e o serviço público brasileiro: um ensaio teórico. Revista de Governança Corporativa, v. 5, n. 1, 2021. DOI: 10.21434/IberoamericanJCG.v5i1.25.

ABRAMO, C. W. Corrupção no Brasil: A perspectiva do setor privado, 2003. Relatório Transparência Brasil, 2004. http://www.transparencia.org.br/docs/perspec-privado-2003.pdf, Acesso em 01/08/2015.

ALMEIDA, K., SANTOS, R. C. dos; MESQUITA, M.; LIMA, R. Conflitos de Agência e Assimetria de Informações Contábeis: Entre a Tomada de Decisão e a Gestão Corporativa. International Journal of Professional Business Review (JPBReview), 5(2), 234-255, 2020.

ARCIONI, J. M.; MESQUITA, W. A. C. de. A Responsabilidade Social nas Organizações: Percepções e Realidade. Revista Gestão & Tecnologia, v. 7, n. 2, p. 1-17, 2007

ARRUDA, G.S.; MADRUGA S. R.; FREITAS JUNIOR, N.I. A governança corporativa e a teoria da agência em consonância com a controladoria. Rev. Adm. UFSM, v. I, n. 1, p. 71-84, 2008.

BARDHAN, P. Association Corruption and Development: A Review of Issues. Journal of Economic Literature, Vol. 35, No. 3 (Sep., 1997), pp. 1320-134

BAUCUS, M. S; NEAR, J. P. Can illegal corporate behavior be predicted? An event history analysis. Academy of Management Journal, v. 34, n 1, p. 9-36, 1991.

BAUCUS, M. S. Pressure, opportunity and predisposition: a multivariate model of corporate illegality. Journal of Management, v. 20, n. 4, p. 699-721, 1994.

BERLE JR., A. A.; MEANS, G. C. The modern corporation and private property. New York: The Macmillan Company, 1932.

BORINI, F. M.; GRISI, F. C. A corrupção no ambiente de negócios: survey com as micro e pequenas empresas da cidade de São Paulo. R.Adm., v.44, n.2, p.102-117, 2009.

BOWEN, H. R. Social responsibilities of the businessman. New York: Harper & Row, 1953.

BRANDOLINO, J.; LUNA, D. QUESTÕES DE DEMOCRACIA: Transformando a cultura da corrupção. Departamento de Estado dos EUA: Bureau de Programas de Informações Internacionais, 2006.

BREI, Z. A. A corrupção: causas, conseqüências e soluções para o problema. RAP, v. 30, n. 3, 103-115, 1996.

BRENNAN, N. M.; SOLOMON, J. Corporate governance, accountability and mechanisms of accountability: an overview", Accounting, Auditing & Accountability Journal, Vol. 21 Iss: 7, pp.885 – 906, 2008.

BUCHANAN, James M. Rent seeking and profit seeking. In: BUCHANAN, James M.; TOLLISON, Robert D.; TULLOCK, Gordon (Ed.). Toward a theory of the rentseeking society. College Station: Texas A & M University Press, 1980. p. 3-15.

BUCHERONI, Carlos Alberto; et al. A Dimensão Humana na Governança Corporativa: Ensaio Teórico e Propostas Para Futuros Estudos. Rev. CCEI, v.15, n.28, p. 19-38. 2011.

CAMARGO, B. F.; BARCELLOS, B.; LINCK, I. M. D.; NEUBAUER, V. S. Contribuições da Ética para a Governança Corporativa. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, v. 12, n. 2, p. 244-257, 2014.

CARROLL, A. B. A three-dimensional conceptual model of corporate social performance. Academy of Management Review, (4), 497-505, 1979.

CARROLL, A. B. The Pyramid of Corporate Social Responsibility: Toward the Moral Management of Organizational Stakeholders. Business Horizons, 34(4), 39-46.1991

CARROL, A. B., HOY, F. Integrating Corporate Social Policy into Strategic Management. The Journal of Business Strategy, 4(3), 48-57, 1984.

CASTILHOS, T. O. de. Assessing Legislative Innovation and its Impact on Corruption Control and Constitutional Rights: Advancements and Setbacks. Journal of Law and Corruption Review, v. 3, p. e062, 2021. DOI: 10.37497/CorruptionReview.3.2021.62.

CHENG, B., I.; SERAFEIM, G. Corporate Social Responsibility and access to Finance. Strategic Management Journal, (35), 1–23.2014.

COASE, Ronald. The nature of the firm. Economica, v. 4. p. 386-405, 1937

CODIGO PENAL BRASIL. Decreto-Lei nº 2.848 de 07.12.1940 1940, e alterações. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del2848compilado.htm, Acesso em 01/08/2015.

FERRARI, Vinícius Eduardo. A inconsistência teórica e empírica da hipótese central do rent seeking. Mediações, v. 16, n.1, p. 323-344, Jan./Jun. 2011.

FREEMAN, R. E. Strategic management: a stakeholder approach. Massachusetts: Sage, 1984.

GONZALEZ, R. S. Tendência mundial: governança e responsabilidade social corporativa. Relações com Investidores, n. 53, p. 15-16, jul. 2002.

GUERREIRO, M. das D.; PEREIRA, I. Responsabilidade Social das Empresas, Igualdade e Conciliação Trabalho-Família: Experiências do Prémio Igualdade é Qualidade. Lisboa: Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego, 2006.

HATCH, M. J. Organization theory: modern, symbolic and postmodern perspectives. Oxford: Oxford University Press, pp. 63-100, 1997.

HILL, C. W. L. et al. Human Relations, v. 45, n. 10, p. 1055-1076, 1992.

HOPE, K. R. Administrative corruption and administrative reform in developing State. Corruption and Reform. v. 22l, l27-47, 1987.

HUANG, Q.; YUAN, T. Does political corruption impede firm innovation? Evidence from the United States. Journal of Financial and Quantitative Analysis, 56 (1), 213-248, 2021.https://doi.org/10.1017/S0022109019000966

HUNTINGTON, S. P. Modernization and corruption. In: Heidenheimer A. J. Political corruption readings comparative analisys. New York Holt. Rinehart and Winston. 1970.

IBGC. Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. Guia de Sustentabilidade para as Empresa. Coordenação: Carlos Eduardo Lessa Brandão e Homero Luís Santos. São Paulo: IBGC, 2007.

IBGC. Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. Código das Melhores Práticas de Governança Corporativa. 4.ed. São Paulo: IBGC, 2009.

JENSEN, M.C, MECKLING, W.H. Theory of the Firm: Managerial Behaviour, Agency Costs and Ownership Structure. Journal of Financial Economics, 1976.

KLITGAARD, Robert. A corrupção sob controle. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994.

KRUEGER, A. The Political Economy of the Rent-Seeking Society. The American Economic Review, v. 64, n. 3, pg 291-303, 1974.

LIMA, A. A.; RIBEIRO, T. de L. S. Mapping the emergence of the theme of corruption in the area of corporate governance: a bibliometric review of the literature. Journal of Law and Corruption Review, v. 6, p. e074, 2024. DOI: 10.37497/CorruptionReview.6.2024.74.

MACLEAN, T. L. Framing and organizational misconduct: a symbolic interactionist study. Journal of Business Ethics, v. 78, n. 1/2, p. 3-16, 2008.

MAGERAKIS, E.; TZELEPIS, D. Corruption, cash holdings and firm performance: empirical evidence from an emerging market. Journal of Applied Accounting Research, 24(3), 483–507, 2023. DOI: https://doi.org/10.1108/JAAR-11-2021-0310

MIRANDA, R. A. de; AMARAL, H. F. Governança corporativa e gestão socialmente responsável em empresas estatais, RAP, 45(4):1069-94, 2011.

NASCIMENTO, J. C. H. B.; LOURENÇO, R. L.; SAUERBRONN, F. F.; BERNARDES, J. R. Ambiente Institucional de Contabilidade, Voz e Accountability, Distância do Poder e Corrupção: uma Análise Cross Country. Advances in Scientific and Applied Accounting, 11(2), 246-266, 2018.

ORSO, L. É.; SANTOS, R. C. dos; RAUPP, F. M.; SOUSA, A. M. R. Ownership Structure and Shareholders: Perspectives on Conflict between State Participation in the Value of Companies on the Brazilian Stock Exchange - B3. Revista do CEJUR/TJSC: Prestação Jurisdicional, v. 11, p. e0400, 2023. DOI: 10.37497/revistacejur.v11i00.400.

RAUSCH, R. B.; SOARES, M. Controle social na administração pública: a importância da transparência das contas públicas para inibir a corrupção. Revista de Educação e Pesquisas em Contabilidade, v.4, n. 3, p. 23-43, 2010.

REIS, C. N. dos. A Responsabilidade Social das Empresas: O Contexto Brasileiro Em Face da Ação Consciente ou do Modernismo Do Mercado? R. Econ. Contemp., v. 11, n. 2, p. 279-305, 2007.

SANTOS, R. C.; ORSO, L. É., MACHADO, M. C. R; SOUSA, A. M. R. Foreign investors? The effects of the property structure and legal system as mechanisms of corporate governance in Brazilian regulated companies. Corporate Governance: The international journal of business in society, v. 19, p. 1082-1116, 2019.

SANTOS, R. C. dos; SOARES, J. M. I. Ensaio Teórico sobre a Governança Corporativa em setores regulados aplicado às concessionárias de rodovias. Revista de Governança Corporativa, v. 3, n. 1, 2021. DOI: 10.21434/IberoamericanJCG.v3i1.18.

SCHNATTERLY, K. Increasing firm value through detection and prevention. Strategic Management Journal, v. 24, n. 7, p. 587-614, 2003.

SCHWARTZ, M. S., CARROLL, A. B. Corporate Social Responsibility: A Three-Domain Approach. Business Ethics Quarterly, 13(4), 503-530, 2003.

SCHWARTZ, M. S., CARROLL, A. B. Integrating and unifying competing and complementary frameworks: the search for a common core in the business and society field. Business & Society, 20(10), 1-39, 2007.

SIFFERT Filho, N. Governança Corporativa: Padrões Internacionais e Evidências Empíricas no Brasil nos Anos 90. Revista BNDES n.9, 1998.

SILVA, A. M. C. da; BRAGA, E. C.; LAURENCEL, L. da C. A Corrupção em uma Abordagem Econômico-Contábil e o Auxílio da Auditoria como Ferramenta de Combate. Revista Contabilidade Vista & Revista, v. 20, n. 1, p. 95-117, 2009.

SILVA, M. F. G. Corrupção e desempenho econômicos. Os Custos da Corrupção. Cadernos Adenauer, Nº 10, 2000.

SILVA, M. F. G. A economia política da corrupção. Transparência Brasil, São Paulo, 2001.

STRANDBERG, Coro. The convergence of corporate governance and corporate social responsibility: thought-leaders study. Burnaby, 2005

TANZI, V. Corruption Around the World: Causes, Consequences, Scope and Cures. International Monetary Fund, p. 559-594, 45, 1998.

TRAN, Q. T. Corruption and corporate risk-taking: evidence from emerging markets. International Journal of Emerging Markets, 17(5), p. 1238-1255, 2022. https://doi.org/10.1108/IJOEM-08-2019-0602

TRAN, Q. T. Corruption and corporate cash holdings: international evidence. Journal of Multinational Financial Management, 54, 100611, 2020. https://doi.org/10.1016/j.mulfin.2019.100611

TULLOCK, G. The welfare costs of tariffs, monopolies, and theft. Western Economic Journal, Oxford, v. 5, p. 224-230, 1967. [Reimpresso em TOLLISON, Robert D.; CONGLETON, Roger D. (Ed.). The economic analysis of rent seeking. Aldershoot, England: Edward Elgar Publishing Ltd, 1995].

VU, H.; VAN, T.; T. Q.; NGUYEN, T. V.; LIM, S. Corruption, Types of Corruption and Firm Financial Performance: New Evidence from a Transitional Economy. Journal of Business Ethics, 148(4), 847–858, 2018. https://doi.org/10.1007/s10551-016-3016-y

XU, H.; DAO, M.; WU, J. The effect of local political corruption on earnings quality. Review of Quantitative Finance and Accounting, 53, 551-574, 2019. https://doi.org/10.1007/s11156-018-0758-x

WADA, A. A. D. L. Analysis of the Anti-Corruption Law: Necessity, Applicability, and Criticisms. Journal of Law and Corruption Review, v. 1, p. e058, 2019. DOI: 10.37497/CorruptionReview.1.2019.58.

Publicado

2024-05-06

Como Citar

Machado, M. C. R. ., Carlos Santos, R., & Raupp, F. M. . (2024). Combate a corrupção: uma articulação teórica dos temas responsabilidade social, governança corporativa e teoria da agência. RGC - Revista De Governança Corporativa, 11(00), e0149. https://doi.org/10.21434/IberoamericanJCG.v11i00.149

Edição

Seção

Artigos