GOVERNANÇA CORPORATIVA E ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NO BRASIL: análise baseada em recomendações da Previc

Guilherme de Queiroga Falcão, Carlos André e Melo Alves

Resumo


O objetivo geral deste estudo foi investigar as características de governança corporativa das Entidades Fechadas de Previdência Complementar atuantes no Brasil com base em recomendações da Previc. Foi realizada uma pesquisa descritiva com método, predominantemente, qualitativo. A amostra, não-probabilística por acessibilidade aos dados, foi formada pelas 60 EFPCs presentes no Consolidado Estatístico da ABRAPP (novembro de 2016) – ordenadas pelo porte. Os dados foram coletados a partir dos estatutos e das políticas de investimento publicamente disponíveis e atualizados até março de 2017, e para o tratamento dos dados foi empregada a análise de conteúdo, considerando 20 subcategorias distribuídas em 4 categorias baseadas no Guia Previc Melhores Práticas em Fundos de Pensão e no Guia Previc Melhores Práticas de Governança para Entidades Fechadas de Previdência Complementar. Complementou-se o tratamento dos dados com a aplicação das estatísticas descritiva e inferencial não paramétrica, com emprego dos testes Q Cochran e Qui-quadrado. Após a análise de 1200 subcategorias, os resultados mostraram que foram identificadas 57,67% das subcategorias. Entretanto, os resultados da análise inferencial com base no teste qui-quadrado indicaram que esse percentual não foi distribuído de maneira uniforme. Adicionalmente, para cada categoria, os resultados das análises inferenciais, com base nos testes Q de Cochran, indicaram que as subcategorias associadas a cada categoria não apresentaram percentuais de divulgação uniformes. Espera-se que este estudo contribua para um melhor entendimento por parte dos gestores das EFPCs, reguladores, participantes e assistidos, acadêmicos e demais partes interessadas a respeito das características da governança corporativa nas EFPCs brasileiras.


Texto completo:

PDF

Referências


ABRAPP – Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar. (2014). Relatório de Sustentabilidade dos Fundos de Pensão: Práticas, Riscos e Oportunidades ESG (Environmental, Social and Corporate Governance). 4. ed. São Paulo.

ABRAPP – Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar. (2016a). Consolidado Estatístico – Abril. Disponível em Acesso em 12/08/2016.

ABRAPP – Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar. (2016b). Consolidado Estatístico – Novembro. Disponível em Acesso em 16/03/2017.

ALVES, C. A. M. (2012). As contribuições das ouvidorias para a gestão e para a governança corporativa: estudo em instituições bancárias baseado na regulamentação brasileira. Tese (Doutorado em Administração) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

ALVES, C. A. M.; BEZERRA, J. A.; SANCHES, F. H. S. (2009). A Influência do Tipo de Patrocínio Sobre o Ativo de Investimento dos Fundos de Pensão que Atuam no Brasil. Revista Unieuro de Contabilidade, 2(1).

AMARAL, H. F.; VILAÇA, C. S. I.; BARBOSA, C. F. M.; BRESSAN, V. G. F. (2004). Fundos de Pensão como Formadores de Poupança Interna: uma Alternativa para o Financiamento da Atividade Econômica. Revista de Administração Contemporânea, 8(2), 137-158.

BCB – BANCO CENTRAL DO BRASIL. (2016). Composição e segmentos do Sistema Financeiro Nacional. Recuperado em 20 outubro, 2016, de http://www.bcb.gov.br/pre/composicao/composicao.asp.

BARDIN, L. (1977). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.

BELTRÃO, K. I. et al. (2004). Análise da Estrutura da Previdência Privada Brasileira: Evolução do Aparato Legal (Texto para discussão, Nº 1043). Rio de Janeiro, RJ: IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

BRASIL. Lei Complementar 108, de 29 de maio de 2001a. Dispõe sobre a relação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, suas autarquias, fundações, sociedades de economia mista e outras entidades públicas e suas respectivas entidades fechadas de previdência complementar, e dá outras providências.

BRASIL. Lei Complementar 109, de 29 de maio de 2001b. Dispõe sobre o Regime de Previdência Complementar e dá outras providências.

BRASIL. Conselho Geral de Previdência Complementar. Resolução nº 13, de 1 de outubro de 2004. Estabelece princípios, regras e práticas de governança, gestão e controles internos a serem observados pelas entidades fechadas de previdência complementar - EFPC.

BRASIL. Conselho Monetário Nacional. Resolução nº 3.792, de 24 de setembro de 2009. Dispõe sobre as diretrizes de aplicação dos recursos garantidores dos planos administrados pelas entidades fechadas de previdência complementar.

DIAS, L. P. (2006). Governance of Brazilian Pension Funds. The Berkeley Eletronic Press. Working Paper 1447. Retrieved September 07, 2016, from http://law.bepress.com/cgi/viewcontent.cgi?article=6568&context=expresso.

FREEMAN, R. E. (1994). The politics of stakeholder theory: some futures directions. Business Ethics Quarterly, 4(4), 409-421.

IBGC – Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. (2015). Código das Melhores Práticas de Governança Corporativa (5a ed.). São Paulo.

JENSEN, M. C.; MECKLING, W. H. (1976). Theory of the firm: managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Finance Economics, 3(4), 305-360.

MACHADO FILHO, C. A. P. (2006). Responsabilidade Social e Governança: o Debate e as Implicações. São Paulo: Thomson.

NASCIMENTO, A. C. R. et al. (2014). Aderência das Entidades Fechadas de Previdência Complementar de Patrocínio Público às Práticas de governança corporativa. Redeca, 1(1), 79-101.

OCDE – Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. (2015). G20/OECD Principles of Corporate Governance. Retrieved October 12, 2016, from https://www.oecd.org/ daf/ca/Corporate-Governance-Principles-ENG.pdf.

PAIXÃO, L. A. A Previdência Complementar Fechada: uma visão geral. (2006). Recuperado em 14 agosto, 2016, de http://www.previdencia.gov.br/arquivos/office/3_081014-111321-983.pdf.

PINHEIRO, R. P. (2007). A Demografia dos Fundos de Pensão. Coleção de Previdência Social. Série Estudos (vol. 24, p.292). Brasília, DF: Ministério da Previdência Social – Secretaria de Políticas de Previdência Social.

PREVIC – Superintendência Nacional de Previdência Complementar. (2010, agosto). Guia Previc Melhores Práticas em Fundos de Pensão. Brasília, DF.

PREVIC – Superintendência Nacional de Previdência Complementar. (2012, setembro). Guia PREVIC Melhores Práticas de Governança para Entidades Fechadas de Previdência Complementar. Brasília, DF.

REICHENSTEIN, W. (1994). Why The Corporate Pension Fund is not just another SBU. Journal of Applied Corporate Finance, 6(4), 103-108.

RIECHE, F. C. (2005, junho). Gestão de Riscos em Fundos de Pensão no Brasil: Situação Atual da Legislação e Perspectivas. Revista do BNDES (vol.12, nº 23, pp. 219-242). Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

SAMPIERI, R. H.; COLLADO, C. F.; LUCIO, M. P. B. (2006). Metodologia de Pesquisa (3a ed.). São Paulo: McGraw-Hill.

SHLEIFER, A.; VISHNY, R. W. A Survey of Corporate Governance. (1997). The Journal of Finance, 52(2), 737-783.

SIEGEL, S.; CASTELLAN JR., N. J. (2006). Estatística não-paramétrica para ciências do comportamento (2a ed.). Porto Alegre: Artmed Editora S.A.

SILVA, E. L. da; MENEZES, E. M. (2005). Metodologia da Pesquisa e Elaboração de Dissertação (4a ed.). Florianópolis: UFSC.

SILVA, R. V. (2009). Atendimento às Regras, Princípios e Práticas de Governança em Entidades Fechadas de Previdência Complementar. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

TORRES, F. J. V. et al. (2010). Gestão dos Riscos e Desempenho Financeiro nos Fundos de Pensão Fachesf e Celpos. Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, 8(3), 382-410.




DOI: http://dx.doi.org/10.21434/rgc.v4i2.62

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


             

 

 

ISSN: 2359-313X