Separação entre a Propriedade e a Gestão: Convergência de Interesses entre Proprietários e Administradores de uma Empresa

Evandir Megliorini, Raimundo Nonato Rodrigues

Resumo


Este artigo discute as divergências de interesses, existentes ou não, entre os principais atores da teoria da agência, proprietários e administradores de uma empresa. A separação entre a propriedade e a gestão é descrita na literatura econômico-financeira como potencializadora de conflitos entre esses atores ao assumir a hipótese de que os administradores podem se desviar do objetivo de maximização da riqueza dos proprietários. Por outro lado, autores de administração consideram que a separação dá origem a uma conciliação de interesses, uma vez que o objetivo da organização pode ser considerado, indiretamente, um objetivo de todos os seus participantes, incluindo aí os administradores. Desta forma, conclui-se que a separação coloca as partes em uma zona de tolerância na qual os potenciais conflitos não constituem obstáculos para a consecução de seus objetivos na medida em que os proprietários ficam satisfeitos com os resultados alcançados pelos administradores, os quais, por sua vez, atingem esses resultados satisfazendo, também, seus objetivos. Nesse contexto emergem os instrumentos que possibilitam uma convivência aceitável entre proprietários e administradores. Para isso, empreendeu-se uma pesquisa bibliográfica com enfoque qualitativo. 


Texto completo:

PDF

Referências


ARANTES, Nélio. Sistemas de gestão empresarial. São Paulo: Atlas, 1998.

AWH, Robert Y. Microeconomia. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1979.

BORGES, Luiz Ferreira Xavier; SERRÃO, Carlos Fernando de Barros. Aspectos de governança corporativa moderna no Brasil. Revista do BNDES, Rio de Janeiro, v. 12, n. 24, p. 111-148, dez. 2005. Disponível em . Acesso em: 29 mai. 2007.

BYRNS, Ralph T. Microeconomia. São Paulo: Makron Books, 1996.

CAMPOS, José Antonio. Cenário balanceado: painel de indicadores para a gestão estratégica dos negócios. São Paulo: Aquariana, 1998.

CERVO, Amado L.; BERVIAN, Pedro A. Metodologia científica. São Paulo: Prentice Hall, 2002.

CHIAVENATO, Idalberto. Comportamento organizacional. São Paulo: Thomson, 2004.

DAMODARAM, Aswath. Finanças corporativas aplicadas. Porto Alegre: Bookman, 2002.

GITMAN, Lawrence J. Princípios de administração financeira. São Paulo: Harbra, 1997.

GOYOS Jr., Durval Noronha. Dicionário jurídico. São Paulo: Observador Legal, 2003.

JUCIUS, Michael J.; SCHLENDER, William E. Introdução à administração. São Paulo: Atlas, 1990.

KAPLAN, Robert S.; NORTON, David. P. A estratégia em ação. Balanced Scorecard. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Atlas, 1994.

LONGENECKER, Justin G. Introdução à administração: uma abordagem comportamental. São Paulo: Atlas, 1981.

MATHUR, Iqbal. Introdução à administração financeira. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1984.

McGUIGAN, James R.; MOYER, R. Charles; HARRIS, Frederick H. de B. Economia de empresas. Aplicações, estratégia e táticas. São Paulo: Thomson, 2004.

MILLER, Roger Leroy. Microeconomia. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1981.

PYNDYCK, Robert S; RUBINFELD, Daniel L. Microeconomia. São Paulo: Makron Books, 1994.

ROBBINS, Stephen P. Administração. Mudanças e perspectivas. São Paulo: Saraiva, 2003.

SIFFERT FILHO, Nelson. Governança corporativa: padrões internacionais e evidências empíricas no Brasil nos anos 90. Revista BNDES, Rio de Janeiro, n. 9, junho de 1998. Disponível em . Acesso em: 29 mai. 2007.

SILVA, Artur Santos; VITORINO, António; ALVES, Carlos Francisco; CUNHA, Jorge Arriaga da; MONTEIRO, Manuel Alves. Livro branco sobre corporate governance em Portugal. Instituto Português de Corporate Governance, 2006. Disponível em . Acesso em 28 mai. 2007.

SIMON, Herbert A. Comportamento administrativo. São Paulo: Atlas, 1970.

WESTON, J. Fred. Finanças de empresas: o campo e a metodologia. São Paulo: Atlas, 1969.

WRIGHT, Peter; KROLL, Mark J.; PARNELL, John. Administração estratégica. São Paulo: Atlas, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.21434/rgc.v4i1.42

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


            

 

 

ISSN: 2359-313X