CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO ACADÊMICA SOBRE STAKEHOLDERS E ACCOUNTABILITY DIVULGADAS NO SCOPUS NO PERÍODO DE 1996-2014

Henrique César Melo Ribeiro, Rodrigo do Carmo Molina

Resumo


Este estudo objetivou analisar o perfil da produção acadêmica das publicações internacionais sobre os temas stakeholders e accountability juntos por meio das técnicas de análise bibliométrica. Mostrando inicialmente a relevância sobre o assunto. A pesquisa se deu na base de dados do Scopus, durante os anos de 1996-2014, sendo pesquisados todos os artigos publicados em periódicos internacionais. Aplicando a lei de Lotka, ajudou a entender a importância dos autores mais profícuos para os temas em questão. Concluiu-se que os assuntos stakeholders e accountability, publicados em conjunto estão em emergência, nas mais diversas áreas do conhecimento, com inúmeros caminhos a serem seguidos e sugestões de pesquisas a serem replicadas, como por exemplo, o fato da Itália estar entre os países que mais publicam sobre o tema.

Texto completo:

PDF

Referências


Accountability. AccountAbility. Recuperado em: AccountAbility: http://www.accountability.org/services/stakeholder.html.

Adams, C. A. (2004). The ethical, social and environmental reporting-performance portrayal gap. Accounting, Auditing and Accountability Journal, 17(5), 731-757.

Araújo, C. A. (2006). Bibliometria: evolução história e questões atuais. Em Questão, 12(1), 11-32.

Bhimani, A., & Soonawalla, K. (2005). From conformance to performance: The corporate responsibilities continuum. Journal of Accounting and Public Policy, 24(3), 165-174.

Boesso, G., & Kumar, K. (2005). Drivers of corporate voluntary disclosure. Accounting, Auditing and Accountability Journal, 20(2), 269-296.

Campbell, D., Moore, G., & Shrives, P. (2006). Cross-sectional effects in community disclosure. Accounting, Auditing and Accountability Journal, 19(1), 96-114.

Cintra, R. et al. (2014). «Stakeholder theory»: análise nos periódicos brasileiros a partir da bibliometria. Revista Portuguesa e Brasileira de Gestão, 13(4), 44-55.

Cordery, C. J., & Baskerville, R. F. (2011). Charity transgressions, trust and accountability. Voluntas, 22(2), 197-213.

Costa, E., Ramus, T., & Andreaus, M. (2011). Accountability as a managerial tool in non-profit organizations: Evidence from italian CSVs. Voluntas, 22(3), 470-493.

Coutinho, E. (1991). Aplicação da lei de Bradford à literatura técnica sobre ferrovia: análise de periódicos e avaliação da base de dados da Rede Ferroviária Federal S. A. Revista Ciência da Informação, 20(2), 169-180.

Coutinho, R. B. G., & Macedo-Soares, T. D. L. V. (2002). Gestão estratégica com responsabilidade social: arcabouço analítico para auxiliar sua implementação em empresas no Brasil. Revista de Administração Contemporânea, 6(3), 75-96.

Ferreira, A. G. (2010). Bibliometria na avaliação de periódicos científicos. DataGramaZero - Revista de Ciência da Informação, 11(3), 1-9.

Freedman, M., & Stagliano, A. J. (1992). European unification, accounting harmonization and social disclosures. International Journal of Accounting, 27(2), 112–122.

Freeman, R. E. (1984). Strategic management: a stakeholder approach. Marshfield, Massachusetts: Pitman Publishing.

Freeman, R. E. et al. (2010). Teoria dos stakeholders: the state of the art. New York: Cambridge University Press.

Friedman, A. L., & Miles, S. (2006). StakeholdersN: theory and practice. Oxford: Oxford University Press.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Gilbert, D. U., & Rasche, A. (2008). Opportunities and problems of standardized ethics initiatives - a stakeholder theory perspective. Journal of Business Ethics, 82(3), 755-773.

Gray, R., Kouhy, R., & Lavers, S. (1995). Corporate social and environmental reporting: A review of the literature and a longitudinal study of UK disclosure. Accounting, Auditing and Accountability Journal, 8(2), 47-75.

Guedes, V. L., & Borschiver, S. (2005). Bibliometria: uma ferramenta estatística para a gestão da informação e do conhecimento, em sistemas de informação, de comunicação e de avaliação científica e tecnológica. CINFORM, v. 6.

Harris, M. M. (1994). Rater motivation in the performance appraisal context: a theoretical framework. Journal of Management, 20(4), 735-756.

Igarashi, W. et al. (2008). Investigação no contexto brasileiro sobre gestão do conhecimento/aprendizagem/tecnologia de informação: pesquisa realizada na Scientific Electronic Library Online. Cadernos EBAPE.BR, 6(2), 1-18.

Islam, M. A., & Deegan, C. (2008). Motivations for an organisation within a developing country to report social responsibility information. Accounting, Auditing and Accountability Journal, 21( 6), 850-874.

Knezevic, S., Stankovic, A., & Tepavac, R. (2012). Accounting information system as a platform for business and financial decision-making in the company. Journal for Theory and Practice Management, (65), 65-69.

Ladeira, D. L. (2009). Teoria dos stakeholders no contexto da governança corporativa: um estudo de caso, Dissertação (Mestrado em Administração), Universidade FUMEC, Belo Horizonte: 2009. 105 pg).

Magness, V. (2006). Strategic posture, financial performance and environmental disclosure: An empirical test of legitimacy theory. Accounting, Auditing and Accountability Journal, 19(4), 540-563.

Malacrida, M. J. C., & Yamamoto, M. M. (2006). Governança corporativa: nível de evidenciação das informações e sua relação com a volatilidade das ações do Ibovespa. Revista Contabilidade e Finanças, 17, 65-79.

Mallik, A. K., & Mitra, S. (2009). Accounting and accountability: a stakholder-agent perspective. The IUP Journal of Accounting Research & Audit Practices, 8(3), 1-19.

Maltrás, B. B. (2003). Indicadores de Producción. Em B. B. Maltrás, Los Indicadores Bibliométricos: fundamentos y aplicación al análisis de la ciencia (p. cap. 4). Gijón: Ediciones Trea.

Marques, M. D. C. D. C. (2007). Aplicação dos princípios da governança corporativa ao sector público. Revista de Administração Contemporânea, 11(2), 11-26.

Mascena, K. M. C. de, Fogaça, R. R., & Fischmann, A. A. (2012). Gestão de stakeholders: análise dos fenômenos abordados nos estudos empíricos. Anais... XV Seminários em Administração.

Medeiros, A. K. de, Crantschaninov, T. L., & Silva, F. C. da. (2013). Estudos sobre accountability no Brasil: meta-análise de periódicos brasileiros das áreas de administração, administração pública, ciência política e ciências sociais. Revista de Administração Pública, 47(3), 745-775.

Melo, M. A. (2007). O viés majoritário na política comparada: responsabilização, desenho institucional e qualidade democrática. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 22(63), 11-29.

Merton, R. K. (1968). The Matthew effect in science. Science, 159(3810), 56-63.

Moerman, L., & Van Der Lann, S. (2005). Social reporting in the tobacco industry: All smoke and mirrors? Accounting, Auditing and Accountability Journal, 18(3), 374-389.

Mugnaini, R. (2013). 40 anos de bibliometria no Brasil: da bibliografia estatística à avaliação da produção científica nacional. In: Hayashi, M.C.P.I.; Leta, J. (Ed.). Bibliometria e cientometria: reflexões teóricas e interfaces. São Carlos: Pedro e João Editores, 37-58.

Neves, M. M., Trevisan, L. M., & João, B. do N. (2013). Carreira proteana: revisão teórica e análise bibliométrica. Revista Psicologia, 13(2), 217-232.

OECD – Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico. OECD, 2004. p. 70. Recuperado em: http://www.oecd.org/daf/ca/corporategovernanceprinciples/33931148.pdf.

Oliveira, M. C. (2002). Análise dos periódicos brasileiros de contabilidade. Revista Contabilidade & Finanças, 13(29), 68-86.

Otlet, P. (1986). O livro e a medida: bibliometria. Em Bibliometria: teoria e prática. São Paulo: Cultrix.

Padgett, D. R. G., Cheng, S. S., & Parekh, V. (2013). The quest for transparency and accountability: Communicating responsibly to stakeholders in crises. Asian Social Science, 9(9), 31-44.

Parmar, B. L. et al. (2010). Stakeholder theory: the state of the art. The Academy of Management Annals, 4(1), 403-445.

Pereira, M. da G., Silva, W. A. C., & Araújo, E. A. T. (2014). Análise da produção científica sobre accountability na área de administração pública. Anais..., XIV Congresso USP Controladoria e Contabilidade.

Pinheiro, L. V. (1983). Lei de Bradford: uma reformulação conceitual. Ciência da Informação, 12(2), 59-80.

Pinho, J. A., & Sacramento, A. R. (2009). Accountability: já podemos traduzi-la para o português? Revista de Administração Pública, 43(6), 1343-1368.

Pritchard, A. (1969). Statistical bibliography or bibliometrics? Journal of Documentation, 25, 349-349.

Rasche, A., & Esser, D. E. (2006). From stakeholder management to stakeholder accountability. Journal of Business Ethics, 65(3), 251-267.

Ribeiro, H. C. M. (2014). Corporate governance versus corporate governance: an international review: uma análise comparativa da produção acadêmica do tema governança corporativa. Revista Contemporânea de Contabilidade, 11(23), 95-116.

Ribeiro, H. C. M., Costa, B. K., & Ferreira, M. P. (2015). Governança corporativa nos esportes: análise dos últimos 23 anos de produção acadêmica em periódicos internacionais. Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, 12(2), 135-154.

Ribeiro, H. C. M., Costa, B. K., & Ferreira, M. A. S. P. V. (2014). Produção acadêmica dos temas estratégia e governança corporativa. Revista de Administração Faces, 13(3), 27-46.

Ribeiro, H. C. M. et al. (2014). Produção científica sobre os temas governança corporativa e stakeholders em periódicos internacionais. Contabilidade, Gestão e Governança, 17(1), 95-114.

Roberts, R. W. (1992). Determinants of corporate social responsibility disclosure: An application of stakeholder theory. Accounting, Organizations and Society, 17(6), 595-612.

Schedler, A. Em A. Schedler, L. Diamond, & M. F. (1999). Plattner. The self-restraining state: power and accountability in new democracies. (pp. 13-28 ). London: Lynne Rienner Publishers.

Souza, M. T. S. de, & Ribeiro, H. C. M. (2013). Sustentabilidade ambiental: uma meta-análise da produção brasileira em periódicos de administração. Revista de Administração Contemporânea, 17(3), 368-396.

Spinak, E. (1998). Indicadores cienciométricos. Revista Ciência da Informação, 141-148.

Strand, R., & Freeman, R. E. (2015). Scandinavian cooperative advantage: the theory and practice of stakeholder engagement in scandinavia. Journal of Business Ethics, 127, 65-85.

Szabo, V., Costa, B. K., & Ribeiro, H. C. M. (2014). Stakeholders e sustentabilidade: produção científica internacional e nacional entre 1998 e 2011. Revista Brasileira de Estratégia, 7(2), 174-190.

Vanti, N. A. P. (2002). Da bibliometria à webometria: uma exploração conceitual dos mecanismos utilizados para medir o registro da informação e a difusão do conhecimento. Revista Ciência da Informação, 31(2), 152-162.

Vergara, S. C. (2003). Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas.

Vieira, S. F. A., Costa, B. K., & Cintra, R. F. (2012). Stakeholders analysis: um novo campo de pesquisa no turismo. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 6(2), 21-33.

Wood, D., & Ross, D. G. (2006). Environmental social controls and capital investments: Australian evidence. Accounting and Finance, 46(4), 677-695.




DOI: http://dx.doi.org/10.21434/rgc.v4i2.35

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


             

 

 

ISSN: 2359-313X